segunda-feira, 6 de julho de 2015

Confissão!

Me jogar no mar selvagem que mora entre tuas pernas, me fez marinheira sábia, pois hoje sei que após cada tempestade, teu líquido, tua lágrima e saliva se misturam na minha boca sedenta do teu gosto.
Teu sal é o néctar do meu paladar….
Que desde sempre treinado para o doce, é pego surpreendido pelo salgado do teu corpo. 
Não! Doce é teu beijo, com o doce do elixir de cana, do cravo e da canela (GABRIELA!)
Tua língua, que me queima suavemente, marcando minha pele com lambidas sórdidas, me faz refém do silêncio abafado que fazes ao possuir-me entre seus lábios.
Cada vez que te vejo andar, meio sem rumo aparentemente, mas vindo ao meu encontro, vejo a luz dos teus cabelos, barba e pêlos, e sinto como se eles fossem cordas que me agarram a ti.
Teus olhos, espertos e inquietantes, me devoram e me desnudam a cada instante ao teu lado.
Me sinto nua, revelada, e x p o s t a!.
Meus dedos no teu sexo, me tiram a calma, são minha sina e o meu karma.
É rebeldia uma garota sentir-se querida no colo precoce de um outro alguém?
Eu não sei…
Mas sempre que o vejo distraído, com um sorriso no canto da boca e um universo inexplorado dentro dos olhos, tenho certeza: não há um mortal nesta terra que não se renderia a isto, e eu que não sou besta, me entreguei.




{Playlist: Kings Of Leon - Closer}

Nenhum comentário:

Postar um comentário